Cabeçalho para o blog. Imagem predominante azul. Fábio, dono do blog, saltando de uma pedra em um poço de cachoeira. Sobre o restante do banner, os dizeres 'Calado é um poeta. desenhoedesenvolvo.com.br/blog'

A maconha e os males de uma militância sem tato

Publicado por Fábio Andrade em: 21/set/16


Imagina que você acabou de chegar no bar onde seu pai toma umas e, sem contextualizar, soltou um “a solução para o problema com as drogas é liberar a maconha e acabar com a polícia militar”. Na sua cabecinha de universitário esquerdista isso pode fazer todo o sentido, mas já tentou se colocar no lugar do cidadão que ouve isso? Ele não acha menos que absurdo, meu querido, garanto.

Basta pensar no tipo de informação ele anda recebendo e ligar os pontos: maconha mata. A polícia combate a maconha. Na cabeça de qualquer cidadão médio, você quer liberar algo que mata e quer acabar com a instituição que combate esse algo que mata. Rapaz, ele deve te achar uma pessoa bem PAIA. Aliás, ele tá certo: cê é um pouquinho paia mesmo.

Personagem do filme Todo Mundo em Pânico, interpretado por Keenen Ivory Wayans. Tem pele negra e um bigode ralo. Cabelo estilo 'black power' e expressão de extremo espanto, com a boca bem aberta. Está em um cômodo pequeno com prateleiras cheias de bagunça. Veste preto sobre uma camisa branca e usa colar prateado.

Você, estereotipado e indignado, questionando o porquê de eu dizer que você é paia.

Vamos tentar colocar algumas questões, pra não ter desentendimento. Primeiro vamos considerar que você talvez use um dos argumentos mais desonestos do mundo pra defender o uso da erva: “maconha é natural, não pode fazer mal”. Ô broder, me perdoa, mas “comigo ninguém pode” também é naturalíssima, nem por isso a gente sai mastigando, né? Eu pelo menos evito.

Aliás, evito fumar no geral (olha aqui o Fábio de um passado recente dizendo que não fuma), simplesmente porque fumar não faz bem. Não interessa o quê, fumar não faz bem. E aí vamos para o segundo vacilo: fingir que maconha não faz mal. Certa vez vi, numa reportagem com uma galera da TORCIDA RASTA do Palmeiras (sim), um líder sendo bem sincero ao dizer que só se arrepende de ter começado a fumar cedo. Ele se justifica dizendo que, segundo um estudo (não vou procurar fonte, aqui vocês terão que confiar em mim, que confiei no cara, que confiou no tal estudo), fumar muita maconha antes da formação total do cérebro (até uns 23 anos, mais ou menos) pode causar algumas pequenas sequelas, o que seria a causa de esquecimentos constantes e lentidão do pensamento. Além claro, dos males causados simplesmente por COMER FUMAÇA, que qualquer cigarro pode causar. Estamos falando de problemas respiratórios, câncer de pulmão, de boca, etc.

Então não adianta fingir que a maconha é a melhor coisa do mundo, porque não é. Quando você finge que não, a causa perde pontos com o tio do bar do seu pai, por exemplo.

Cientes dos males e sem esconder, podemos enfim ponderar sobre uma realidade que para muitas pessoas é intangível: maconha não mata ninguém. NINGUÉM. Pôxa, alguém conhece algum maldito que morreu de maconha? Meu deus do céu, isso não existe. É MUITO DIFÍCIL ter uma overdose de maconha. Sério, olha esse trecho aqui: “de acordo com os cálculos do relatório, para se ter uma overdose de maconha, o consumo deve ser de cerca de 680 quilos em, no máximo, 15 minutos. Isso dá entre 20 mil e 40 mil baseados”.

Torcedores do Vasco flagrados por câmera do canal SporTV/Premiere durante jogo em 2015. Um, vestindo um agasalho do clube e ora fervorosamente, com as mãos unidas e olhos fechados. Atrás dele, mais ao canto da tela, um companheiro de torcida 'bola' um 'baseado' lambendo a seda pra finalizá-lo.

Recebo com profunda tristeza a notícia da sua morte (Vasco).

Você sabe que é mais fácil morrer de bêbado do que de maconhado. Eu sei que você sabe. Só que não foi assim que o resto do mundo foi ensinado. Obs.: mais uma vez, não seja desonesto. Não é correto dirigir depois de fumar maconha, nem se ela for legalizada.

Mas bem, vamos tentar voltar. O tio ainda te acha um boçal. Te acha porque ele acha que maconha mata, e mata sim.

“Mas Fábio, você disse que não!!!”

Disse sim, você não está louco (está sim). Mas é que ela mata de outro jeito: a polícia do Brasil é a polícia que mais mata no mundo. E pior: é também a que mais morre, seu tio reacionário não está errado quando rebate. Claro que não é SÓ por isso, mas chamar de guerra o combate às drogas não é nenhum exagero. A guerra às drogas (ou aos pobres, ou aos negros, como quiser) é literalmente uma guerra e é uma dos fatores mais decisivos no bolo da violência. Lembram da questão de saúde? Maconha não mata. Olha que situação imbecil: uma quantidade absurda de gente morre graças ao combate… a uma droga… que não mata…

Isso acontece porque tem gente graúda interessada nisso. É só tentar imaginar como diabos uma arma militar caríssima chegou na mão de um moleque de chinelo bem no meio do Rio de Janeiro que não tem nem ensino fundamental. Não foi fácil, nem barato meter ela ali.

Mas bem, quanto à falta de tato, a dificuldade que alguns dos que defendem o uso recreativo da FAMIGERADA geralmente é com a didática. Trazer uma informação sem contexto, como citei acima, nem sempre é desonestidade, às vezes é só descuido. Porém, é extremamente destrutivo usar argumentos baixos ou inválidos quando o “lado de lá” está sempre muito bem acompanhado de formadores de opinião caríssimos e cheios de credibilidade.

Afinal, depois de tantos rodeios, qual foi o objetivo desse texto todo? A torcida do Santos te explica:

Na varanda de um bar, cadeiras e mesas dobráveis de madeira. Pendurada no toldo, uma faixa branca traz protesto com os dizeres 'Muito faz quem não estorva!! Fora Adilson!!'. À direita da frase, ainda dentro da faixa, o escudo do Santos Futebol Clube.

Um de meus lemas, estampado numa faixa de protesto da torcida do Santos.

Não tem nada a ver com a torcida, mas com a frase da faixa. Tem gente que vem quente pra somar no debate, mas não dá quinze minutos tá chamando o outro de reacionário. Quando você usa argumentos ruins, desonestos ou muito fora de contexto, você está mais atrapalhando do que ajudando.

Lembre-se que nem todo mundo tem o mesmo conhecimento de causa que você. Aquele tio do bar onde seu pai toma umas não pesquisa sobre o assunto, até porque, sendo sincero: ele não dá a mínima pra opinião de maconheiro.




Temos que resolver tudo, mas não ao mesmo tempo.

Publicado por Fábio Andrade em: 14/set/16


Todos nós estamos sofrendo um pouquinho com essa tal de ansiedade, parece ser o novo mal do século e claro, todos nós temos problemas em nossas vidas. Pode não ser o pior problema do mundo e em alguns casos a ansiedade que sentimos pode não ser um caso para especialista, mas é consenso todo problema tem que ser resolvido e toda ansiedade incomoda.

Homem de camisa e gravata em tons de azul está sentado diante de uma mesa branca, com um computador em um telefone igualmente brancos. Com papéis e uma caneta vermelha. Ele olha para os papéis e leva as mãos à cabeça em expressão de desespero. Também usa um relógio HORROROSO.

Homem branco desesperado a procura de um clips branco que caiu na mesa branca, ao lado do computador branco e perto do papel branco.

E é aí que tá o complicante: temos mesmo que resolver todos os nossos problemas, claro, mas a ansiedade as vezes faz a gente acreditar que tem que ser tudo ao mesmo tempo, aí regaça: começa a supitar pensamento na cabeça, surgindo tudo do meio do inferno e em questão de segundos sua mente te colocou diante de todos os seus problemas e ao mesmo tempo. Assim, acumulado, tudo parece muito mais insustentável e sem solução.

Mas é claro que a maioria tem solução sim. Pensa bem: não é porque você precisa estar aqui agora e ali em duas horas que você precisa ser dois, é? Pois então, da mesma forma em que é impossível estar em dois lugares ao mesmo tempo, mas é possível sair daqui e ir pra ali, é muito mais fácil resolver uma coisa de cada vez, focando nela, do que tentar resolver tudo ao mesmo tempo afinal você continua não sendo dois.

Pedindo licença a quem realmente entende do assunto (se algum especialista estiver lendo e tiver uma sugestão ou correção a fazer, cola que é nóis), gostaria de propor algumas formas de se organizar e evitar fazer com que você se perca dentro da sua cabeça.

Antes de tudo, precisamos lembrar sempre que a melhor forma de resolver tudo é resolver uma coisa de cada vez. Abaixo segue um wallpaper (opcional) pra meter de plano de fundo no computador. Vai servir bem quando as coisas começarem a fluir mal, encara esse arco-íris aí e repete a frase pausadamente, mais ou menos assim: “uma. Coisa. De cada. Vez”. Respirar fundo também ajuda.

Sobre um fundo preto, está um arco-íris e abaixo dele os dizeres 'Uma coisa de cada vez'

Dica: configure pra centralizar que fica tudo bem com sua tela. Segue também uma versão um pouco mais amigável para seu smartphone: (clique aqui para esmagar a minha rata que vai abrir ali na aba ao lado).

Cientes disso, vamos começar a organizar nossos pensamentos.

O primeiro passo é tirar os problemas da nossa cabeça. Pega aí uma caneta e um papel, vamos fazer COMO FAZIAM OS HOMENS DE NEANDERTAL: escreva o que for lembrando de mais importante num papelzinho até não lembrar de muitos problemas.

O próximo passo é hierarquizar (sim, sério). Primeiro elenque todos por ordem de tempo, do mais imediato para o mais distante. Agora refaça a lista considerando a necessidade, do imprescindível (pagar contas, pensar dívidas, ler um artigo) até aquilo que você só quer fazer (ler um livro, tirar carteira de motorista, lavar o carro). Veja bem, isso não quer dizer que as coisas que você “só quer” são menos importantes, é apenas uma maneira de definir o que é mais urgente.

Daí você compara as duas listas e fazendo uma análise de “custo benefício” e vai conseguir pelo menos ter ideia do que pensar primeiro.

Passadas as três primeiras fases iniciais (catalogar, hierarquizar e avaliar), chegamos no BOSS desse joguinho maldito: focar. Agora você vai tirar um tempo pra lidar só com esse problema. Pode ser uma meia hora, uma hora inteira, um dia, sei lá. Isso vai depender do tamanho da treta e da quantidade de outros problemas que ainda vão sobrar por resolver. Isso tem que ser feito de forma linear, ou seja, você terá que estipular metas, como “vou usar tempo x pra resolver um pouco disso” ou “só vou passar pro próximo quando resolver isso”.

Por fim, se tentar resolver o problema estiver, naquele momento, virando outro problema, aí você dá uma pausa. Pra quê? Sei lá, pra tomar um café, fazer outra coisa mais interessante ou até mesmo dar aquela bisóia em outro problema pra variar. O importante, lembre-se, é não atravessar as coisas e se perder em dois ou mais pensamentos. Ignorar (PELO AMOR DE DEUS, IGNORAR NÃO É NEGLIGENCIAR) o problema por um tempinho pode ajudar nisso.

Espero ter ajudado e lembrem-se da principal lição desse texto: uma. Coisa. De cada. Vez.

 

Atualizado em 15 de setembro de 2016

Depois de algumas voltas pelo terrível território da internet, me lembrei de um detalhe: esse texto não fala necessariamente de casos clínicos de ansiedade. Segundo pai Google, existem duas principais definições para a palavra “ansiedade”, seguem:

Ansiedade: substantivo feminino

1. grande mal-estar físico e psíquico; aflição, agonia.
“a demora no atendimento causava-lhe a.”

2. fig. desejo veemente e impaciente.
“com grande a. aguardava o seu casamento”

Esse texto fala principalmente da segunda definição, que fique bem claro. Citei a questão do especialista ali em cima, porque existe o transtorno de ansiedade, que é uma doença séria, não é legal confundir, relativizar ou banalizar.

É imprescindível procurar a ajuda médica no caso da insistência de alguns sintomas citados no link, tá? É importante também não ficar minimizando a situação do próximo que está sofrendo com esse problema, pra isso recomendo pesquisar postagens e artigos sobre o setembro amarelo, tem coisa bastante didática e que pode ajudar muito a entender.

Abraços e fiquemos bem.




Olha lá, o jovem fazendo merda

Publicado por Fábio Andrade em: 27/ago/16


E olha lá, a gente deixando. 

Apesar de parecer, o título e o texto não têm intuito de ofender ninguém (muito menos o coitado do jovem). O que eu quero pontuar aqui é que estamos deixando nossos jovens tomarem as decisões mais difíceis e importantes de suas vidas quando eles mal têm maturidade e/ou bagagem suficiente pra saber se gosta mais de Toddy ou de Nescau.

Quatro jovens brancos caminham sobre trilho de trem com vegetação de bosque ao fundo. Duas moças nas extremidades e dois rapazes no centro. Vestem-se no estilo emo;, todos com roupas bem escuras, tendo por exceção à moça a esquerda.

Jovens (imagem meramente ilustrativa)

A grande maioria das pessoas da minha geração nunca recebeu nenhum tipo de orientação sobre carreira e finanças quando crianças e/ou adolescentes e TRUCO que você tenha recebido. Acontece que quando acaba o ensino médio, sempre vem aquela sensação de que VOCÊ TEM QUE PROCURAR UMA FACULDADE. Mesmo que não exista alguma pressão sobre o jovem nesse sentido ele se sente, de alguma forma, isolado num mundo onde todas as pessoas ao seu redor estão se graduando ou partindo para uma graduação. O que acontece é que a maioria dessas pessoas passaram ou estão passando pelas mesmas incertezas desse jovem “isolado”.

A partir daqui, o que vou tentar fazer é aconselhar o jovem, pra não ficar um velho arrependido precocemente como eu (pode acreditar, só tenho 22 anos).

Bom, primeiro vamos falar do que talvez seja o mais importante: o financeiro. Você, que acabou de se formar no ensino médio, onde tava aprendendo fórmula de

Bhaskara e plano cartesiano, sabe quanto custa uma faculdade? Tá, você viu no site sabe quanto custa uma mensalidade, mas será que já multiplicou a mensalidade por seis, depois somou todos os semestres, e adicionou uns 10 ou 20% de taxa de reprovação (pra garantir)? Será que você, que possivelmente mora no interior, já calculou seu futuro orçamento mensal na capital e multiplicou pelo tempo em que vai estar cursando a faculdade pra saber de fato quanto isso (isso, no caso, você) vai custar? Aposto que tu não pensou nisso e que NINGUÉM te avisou que deveria pensar.

E a carreira, irmão? Você REALMENTE sabe o que quer? Você sabe do que se trata o curso que ele acha que quer fazer? Será que você precisa mesmo fazer uma faculdade agora?

Isso, meu amigo, tá criando um exército de menino novo aí sofrendo de depressão, ansiedade e de um outro problema um pouco menos ignorado pelo povão ao seu redor: dívidas. Tem muita gente olhando pra trás e pensando: “todo esse tempo e dinheiro investidos valeram a pena?” e você ainda não tem noção de quantas vezes a resposta para essa pergunta é “não”.

Jovem vestido de jeans preto, blusa listrada em preto e branco e calçando tênis allstar. Está sozinho, sentado no chão com o rosto escondido entre o peito e as pernas, os braços abraçam o joelho. Está em um extenso e bem iluminado corredor com chão branco e uma longa sequência de armários com portas azuis. Ao fundo uma porta de acesso azul está fechada.

google.com > jovem deprimido > pesquisar

Você precisa saber que se você for apresentado a outras possibilidades diferentes de FAZER UMA FACULDADE AINDA QUE ISSO NÃO FAÇA O MENOR SENTIDO, talvez até escolha gastar seu tempo estudando para um concurso e depois gastar seu dinheiro num carro, sei lá. Acreditem, nem todo jovem tem interesse ou aptidão pela academia e talvez você não queira (nem precise de) uma graduação.

E mesmo que, dentre as opções que a vida te der, você realmente quiser fazer uma faculdade (e tomara que queira), sugiro que sente com seus responsáveis, explique a situação e estude a possibilidade. Não é nenhum crime avaliar a grade do curso com o qual você está flertando pra ver se te agrada, pesquisar valores, faculdades conceituadas e a previsão para o mercado da área. Faça um cálculo do tempo e do dinheiro que será investido nisso, pra ter uma visão melhor. O nome disso é planejar, algo que todos nós temos que fazer durante toda a nossa vida e, cá pra nós, é melhor que você aprenda logo a fazer isso.

Sinceramente jovem, pode fazer quase tudo sem pensar agora. Pode encher o cu de catuaba na rua, pular de cara em rio raso (cuidado com o pescoço, caralho!), subir pirambeira de moto ignorando a existência da estrada (isso eu já fiz). Você é moleque ainda, aproveita pra fazer umas doideira, é bobagem pensar muito antes de fazer essas coisas que só duram um momento. Você está certo quando pensa assim. Mas algumas decisões são mais complicadas, porque têm consequências a médio e longo prazo e que correspondem ao investimento de uma vida. Nesse caso você precisa parar e pensar, calcular e planejar tudo muito bem planejado. O seu eu de daqui a cinco, dez anos, vai te agradecer.

Quanto a mim? Eu tenho ÓDIO de uma escolha completamente equivocada que fiz lá atrás e tenho uma tremenda dificuldade pra lidar com isso. Agora tô tentando fazer o que deveria ter feito na época: tô calculando o próximo passo com o máximo de calma possível, pra não me complicar mais.

Bom, se você chegou aqui, agradeço imensamente pela paciência e pela compreensão, nossa geração não é de ler textos tão enormes assim, risos. Saiba que, seja lá quem você for, eu e as pessoas ao seu redor queremos o seu bem. Se tô te falando isso tudo é porque o Fábio de hoje queria muito que alguém tivesse dito pra ele (eu) o que eu tô tentando te dizer agora.

Boa sorte, jovem.




Algumas palavras sobre o novo ghostbusters

Publicado por Fábio Andrade em: 20/jul/16


Fui ao cinema assistir ao filme mais comentado desses dias pra trás aí, o remake “feminista” dos Caça-Fantasma e, como não poderia ser diferente, vou dar minha opinião:

remake do filme é protagonizado por mulheres

Ficou bastante bom o filme, recomendo.

A nova versão do carro ficou bem doideira também.

o novo filme contou também com uma nova versão do clássico “ECTO-1”

Aproveitem pra ver no cinema enquanto está em cartaz pois é uma experiência bem fera.

Essa é minha opinião sobre o filme, espero que tenham gostado.




Nunca entendi o hino

Publicado por Fábio Andrade em: 15/jul/16


Olho Brasileiro, compositor do Hino Nacional

O Hino Nacional brasileiro é o único hino do mundo que a própria população não entende e que tem que vir com glossário.

Aí eu fui lá e fiz. Sério, como sou UMA EXCELENTE PESSOA, tal qual uma mãe pássara resolvi mastigar tudo e trago bem processadinho pra cuspir na boca de vocês:

 

Parte I

Ouviram do Ipiranga as margens calmas
Do povo heróico o grito alto pra caralho
E o sol da liberdade em raios brilhosos
Brilhou no céu da pátria bem na hora bicho que coincidência
Se o compromisso dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte
Em teu seio, ó liberdade
Desafia o nosso peito a própria morte

Ô pátria fera
Todo mundo paga pau
Salve! Salve!

Brasil, um sonho intenso, um raio brilhante
De amor e de esperança desce pra terra
Se em teu céu bonito, risonho (?) e límpido
A IMAGEM DO CRUZEIRÃO CABULOSO tem bastante destaque

Simplesmente e naturalmente gigante, filho
Bonito, forte, corajoso e grande pra caralho
E o teu futuro espelha essa grandeza

Terra adorada
Entre outras mil
Você é, Brasil
Ó pátria amada!
Dos filhos dessa terra és mãe gente boa
Pátria amada
Brasil zil zil zil!

 

Parte II

Deitado eternamente num berço fera demais
Ao som do mar e à luz do céu profundo
Cê brilha Ó BRAZAS, maravilha da América
Iluminado ao sol da América

Do que a terra mais BICHO GARRIDA SIGNIFICA SINO???
Teus risonhos (???), lindos campos têm mais flores
“Nossos bosques têm mais vida”
“Nossa vida” no teu seio “mais amores”

AOOO PÁTRIA FERA
TODO MUNDO PAGA PAU
EEEEITA PORRRA

Brasil, de amor eterno seja símbolo
Ó bandeira que ostentas cheia de estrela
E diga o verde clarinho dessa bandeira
Paz no futuro e glória no passado

Mas se ergues da justiça a “arma contundente para combate próximo e uso cerimonial entre os indígenas; tacape” forte
Vai ver que filho teu não arrega
Nem tem medo de morrer, os cara

Terra adorada
Entre outra centena (outas mil é exagero né)
És tu Brasil
AOOOO PÁTRIA DOIDA

Dos filhos dessa terra é mãe fera
Pátria amada

BRAZA.

 

Resumindo, nosso hino é basicamente floreio e sinônimo pra não repetir muito as palavras “brilho” e “bandeira”.

 

De nada




Anteriores ►