Ambientalista se apresenta no último dia do Encontro e afirma que: “Mineração amputa territórios e sua biodiversidade”

01/12/2017

“Lutar pelo meio ambiente hoje é uma questão de sobrevivência”, disse Teca ao ressaltar que “Temos o direito legitimo de dizer não a mineração desenfreada”.

Em meio aos protestos e de falas contundentes contra a mineração a qualquer custo no Estado de Minas, terminou neste dia 30 de novembro, o 3º Encontro Internacional de Revitalização de Rios e I Encontro das Bacias Hidrográficas de Minas Gerais.

De acordo com a ambientalista e integrante do Movimento pela Serra do Gandarela, Maria Tereza Corujo, a mineração amputa territórios e a biodiversidade do local. “Não podemos desistir de lutar por lugares, pelas águas e a biodiversidade. O modelo econômico voraz imposto pelo capital tem que acabar. È necessário que a sociedade seja ouvida. Está em risco Minas Gerais”, afirmou.

Ainda segundo ela, o Parque Nacional da Serra do Gandarela foi descaracterizado e não condiz com o que foi proposto pela população local e os ambientalistas. “Nossa luta é pelas águas deste lugar e pela preservação de suas belezas naturais. O que fazemos quando indagamos e lutamos por esses locais, não são ‘picuinhas’, como quiseram dizer integrantes das indústrias e da mineração, mas um direito. Temos o direito de lutar por nosso meio ambiente”, disse.

“Lutar pelo meio ambiente hoje é uma questão de sobrevivência. Como será o futuro?”, questionou Teca ao ressaltar que “Temos o direito legitimo de dizer não a mineração desenfreada”.

Barramentos e a perfuração de poços

O Professor Demetrius David da Silva, da Universidade Federal de Viçosa (UFV), também palestrou e questionou as duas principais práticas adotadas no Brasil durante os momentos de escassez: a construção de barramentos e a perfuração de poços artesianos. Para ele, se elas foram feitas sem critério, podem agravar a situação.

“Os barramentos, por exemplo, atuam no efeito do problema, não na causa. O efeito é que, como não há infiltração da água nos solos, ela escoa e fica armazenada no barramento. Mas a causa é o excesso do escoamento que decorre da degradação das bacias, tanto nas áreas urbanas, quanto nas áreas rurais”. De acordo com o professor, para mudar essa realidade é fundamental a adoção de práticas conservacionistas do solo para garantir resultados na qualidade da água.

Sinclinal Moeda

O Sinclinal Moeda também foi apresentado por Danilo Almeida, da Water Services Brasil. Ele apresentou um Estudo hidrogeológico da aba oeste do Sinclinal Moeda, sistema montanhoso com grandes reservas de água subterrânea que começa ao sul de Belo Horizonte, na divisa com Nova Lima, e segue até Congonhas.

Página Inicial

Voltar